Notícias

04 outubro 2011

Criatividade à flor da pele

Hello peoples!!!

Eis que há séculos que eu não acesso esse blog e muito menos posto algo por aqui. Mas hoje arranjei um tempinho e me inspirei com alguns besteirois do dia-a-dia.

Bom, depois da série dos armengu... digo, das engenhocas no flat que eu estava, chegou a hora de fazer isso em casa. Acabo de alugar my home sweet home aqui em Fortaleza e, como é de se esperar, a casa está vazia. Obvio!

Algumas coisas precisaram ser, digamos, providenciadas... Pois bem, vejamos o que se segue:

Balde! Um utensílio utilitário com o principal fim, no meu caso em particular, de jogar os dejetos limpadores de traseiro: papel higiênico Neve, dupla face, folhas finas, com vitaminas inúmeras. Vc se limpa e sai com o fiofó vitaminado. Putz!!!

Mas esse não é o X da questão. Voltando ao balde, eis que o mesmo foi criado a partir de outro objeto. Nada como utilizar a reciclagem para o bem. O bem do meu bolso, claro!

Temos abaixo uma singela garrafa que foi deturpada de sua função original.


E agora, tchan.... Fantárdigo! Com saco de supermercado... Pronto para o seu novo fim!


Mas a coisa não pára por aí. Na cozinha, é preciso ter um utilitário provenha a magnífica chama de Jah, normalmente denominado Fogão! Ohhhh...
Sim, eu comprei o fogão. Mas não comprei a porra do botijão de gás. PQP!

Sendo assim, tive que criar o meu provedor da chama maravilhosa. Como eu comi de "quentinha" no domingo passado, em meio à faxina que me deixou todo quebrado até hoje, o artefato de alumínio foi muito bem visto e as idéias se "alumiaram".

Vejam nesta primeira imagem que a quentinha foi completamente distorcida para se tornar algo similar a um copo ou algo do gênero. Não está muito perceptível, mas usem a criatividade para visualizar o objeto.


Depois disso, um pouco de álcool e PAM... Temos um fogareiro. Como dizia a véia, isso é do tempo do ronca. Phoodah que o álcool é concentração de 46%. Mais água que qualquer outra coisa!!! Mas tá servindo.


Guarda roupa! Isso não existe. Eis que é muito mais simples e ventilado (e custo zero) utilizar o pendurador de rede com alguns cabides emaranhados. Show de bola!


E vc acha que pára por aí? Nananinanão. Muito mais merd, digo invenções seguem adiante.

Mesa! Pra comer eu o faço em pé mesmo. Mas pra trabalhar é preciso colocar o meu bom e velho companheiro notebook em um local que tenha um suporte. Essa foi a sacada do momento. Eu já estava com as pernas quentes de ficar com ele no colo quando, de repente, avisto a caixa da TV. Eis que temos mais uma cena inusitada.


E pra fechar com chave de ouro, a última é uma solução tecnológica. Coisa de última geração. Nem os mais bem conceituados institutos tecnológicos conseguiriam algo do gênero!

Comprei uma TV. Iiiiiissso.. tirei o papel do bolso e comprei uma TV novinha em folha de 14", CRT, com aquela paradinha que gira. Nem controle tem.... hehehehe

Well... Eis que toda TV precisa de antena para sintonizar os canais. E eu, no ápice da minha humilde sapiência, esqueci de que esse pequeno artefato era necessário. Recordo que antigamente as TVs já vinham com antenas e não precisávamos nos preocupar com isso. Velhos e bons tempos...

Então, a antena! Sempre fugindo do assunto e tals... A tal lógica cartesiana não se aplica a mim. O caos, talvez. Se é que existe padrão...

Então, de novo, a antena. Pois é, preciso dela. A TV encontrou nenhum canal. Dureza!!!

O que fazer? Já tarde da noite não há local que venda antenas. E nem muito menos eu me daria o trabalho de sair para comprar. Chato isso...

Ahá! Biscoito.

Não, não. Eu não vou usar o biscoito como antena. Posso até ser maluco, mas ainda tenho algum certo discernimento. Não?

Quando fui à cozinha vi o pacote de biscoito. Já estava aberto, mas fechado (?!?!??!) com aquelas tirinhas de  ferro, própria para tal fim.

Então pensei: uma antena é apenas um objeto que capta o sinal e redireciona o fluxo para o determinado lugar. Eu não sou nenhum expert em antenas. Então essa é a zorra da definição que tenho! Se não gostou, se mate...

Peguei a tal tira de ferro e desencapei as duas pontas. E tcharammmm... "Butei" na TV. Parafraseando meu amigo Winston (ó glorioso mestre), "lindandinho de viver"! Show de bola....

Agora tenho a mais alta tecnologia em antena na minha TV e sintonizando canal que não acaba mais.



Bom minha gente, é isso aí. Tiveram otras cositas mas, que devido ao meu bom senso não colocarei por aqui. Se precisarem de um engenheiro para soluções alternativas e de baixo custo, estou à disposição. É só ligar para meu celular novo que comprei recentemente, com máquina fotográfica embutida!!!

Fui!

19 março 2010

Payment of Existence (Communic)

Apenas para não ficar empoeirado por aqui, vai mais uma música!
Eu até que conseguia escrever algo do tipo há tempos atrás...


Composição: Communic

Do you think they could have a secret agenda
An iron hand over the last remains of humanity
The final breath of life, allusions of the end
Are we all part of this scheme?
Another coin in payment for your soul
Another bone in the lifegiving soil

Reincarnated - as spawns of the darkness

All we crave to passes will leave a hole into deep
As payment to exist they lost their soul

Bones buried beneath
We are ... slaves of creation
Reincarnated, a revolution
We are ... merged into perfect form
Regeneration came with a steep price

Into a realm of wealth and comfort
How can we even resist this claim
A manifestation of a perfect empire (your kingdom come)
Where pain and disgrace are absent

Do you think they could have a secret agenda
Protect the nation, with hidden intentions, for reasons why?
One day when the devil calls your name
And when he does you will think of me
Another coin in payment for your soul
Another bone in the lifegiving soil

As modern Gods claim sacrifice
The flames will feed on the doomed
Vested interest controls the flow
Transaction on the wire

All we crave to passes will leave a hole into deep
As payment to exist they lost their soul

Bones buried beneath
We are ... merged into perfect form
Regeneration came with a steep price

Reincarnated - as spawns of the darkness
Reincarnated ...
... Regeneration [x2]

13 julho 2009

2 anos depois...

É isso ai meus caros. Lembrei que eu tinha um blog! Cheio de teias de aranha, como dizia minha amiga Mônica.

Essa coisa de trabalhar não dá certo! Tenho que vislumbrar uma outras alternativas viáveis de sobrevivência...

Depois de tanto trabalho, dias e noites a fio um pouco de tempo para descanso. Mas, quem disse que isso acontece. Lá vai eu procurar mais coisas para fazer...

Recentemente resolvi fuçar essas coisas estranhas novas que tem pela Web. Um deles o Twitter. Ainda tenho dúvidas em digerir o porque essas coisas emplacam. Não vi diferença entre ele e um blog. Apenas um blog com espaço de texto bastante limitado.

Enfim... Por via das dúvidas, fiz o meu cadastro por lá. Vou tentar ser um usuário pouco mais assíduo do que tenho sido por aqui. Que quiser se "associar" é só passar por lá:

http://twitter.com/danilofcosta

Alguns camaradas me pediram para voltar a escrever minhas artes quando guri. Ah minha mãe, minha mãe... Coitada! Teve que me suportar. Se minha filha for 1% do que eu fui, amarro a bola preta na perna e deixo trancada no quarto escuro... hehehehe

Em breve mais algum episódio nebuloso.

15 janeiro 2007

Alow 2007

Bom pessoal, com tantas "calorosas" solicitações no novos "posts", resolvi, em meio ao turbilhão de coisas, abrir o ano (la ele!!! - no bom sentido)...
Tenho algumas novidades: a primeira é que minha pequena fez seu primeiro ano de vida. Já está correndo que é uma belezura; A segunda e triste notícia é que não fui eu quem ganhou na mega sena, pra variar. Que pena!!!; A terceira... é... hum... ZZzZzzzZZ.. hein??? Sei la...

Mas nem tudo são flores. Eu já passei dos espinhos há muito tempo. Tô quase na raíz!!! (Putz.. viajei). E pra não deixar por aqui, colo abaixo mais umas da músicas de Lynyrd Skynyrd. Show de bola... Ainda estou viajando do contexto dela...

All I Have is a Song
(Gary Rossington - Johnny Van Zant)

These ol' white lines on the highway
Lord its all I know
Seems like I've been out all my life
But I just can't let it go
Oh you know I ain't complainin'
Cause I can tell, Lord its just your plan
So I thank you for what I have
And that's a song
All I have is a song

I keep thinkin' about the friends I've had
And all the meories we've shared
They keep comin' back, time and time again
Sometimes I wonder was it worth the cost
And all I've lost
Oh you know I ain't complainin'
Cause I can tell, Lord its just your plan
So I thank you for what I have
And that's a song
All I have is a song

So I play this song one more time, 'cause Lord its all I know
I'll be standin' at your door following along
'Cause all I have is a song
And this song will live on

All I have is a song
A piece of me to live on

02 outubro 2006

The hell will be back... soon!

Cenário: Eleições 2006

Caros amigos, infelizmente tenho que deixar aqui a minha indignação com o povo baiano, por, mais uma vez, ser fonte principal dos votos daquele que se diz "homem do povo".

Engabelados como sempre, agora no engarrafado e rotulado "bolsa família". Lamento ainda, a vitória petista para o governo deste estado, tentando, mais uma vez, ser a salvação de uma situação que, outrora, não é conhecida ou entendida por aqueles que o elegeram.

Absolutamente nada tenho contra aqueles que não tiveram acesso à instrução; e se tiveram, não fora de qualidade. Todavia, entendo que esta situação, provocada por aqueles que estão no governo, é mais uma das "artemanhas" para alcançar, sempre, a vitória desejada por meio de manipulação dos indivíduos que, porventura, não possuam critérios para criticar o que ocorre no meio político-econômico.

Escondem, portanto, o fato de ser facultativo o voto por parte daqueles que não sabem ler/escrever para, assim, obrigá-los a exercer um direito que acaba se tornando um dever. Sou um tanto quanto radical e, como disse meu irmão recentemente, estes indivíduos deveriam ser impedidos de votar e, inconsequentemente, não por sua culpa, colocar, mais uma vez - ou outras vezes que sejam - pessoas que visam, tão somente, o crescimento próprio. Certa vez escutei, em uma palestra um neologismo interessante: 'umbigocentrismo". Essa palavra, por si só, descreve muita coisa.

Esquecem, os brasileiros, que política não é feita em 4 anos, aliás, memória curta realmente não permite lembranças. Não sabem eles que leis que regem governos, como a recente e tão falada "Lei de Responsabilidade Fiscal". Não sabem que não mais é permitido desfazer planos/projetos que foram elaborados em governo anterior, como forma de tachar a equipe de governo de quaisquer que sejam os artigos aferidos.

Política se faz com tempo, que depende de pessoas, depende de economia, depende de mercado. Esquecem, os brasileiros, que Collor, apenas do escândalo na época, foi uma peça fundamental para o crescimento tecnológico e econômico para nosso tão surrado país. Não recordam que, por muito menos, e creio que nem haja como comparar, sofreu impeachement. Onde estão os "caras pintadas"? Onde está o povo que lutava por um governo digno?

Estamos fadados à miséria total e cada vez me envergonho mais da comunidade que vivo. Esperanças de um dia melhorar não mais existem, luto, portanto, para me livrar deste tão belo país onde as crianças crescem aprendendo coisas que jamais deveriam saber.

Espero estar errado, mas na atual conjuntura nada mais há de pensar. Eis então que, num momento de inspiração ao saber na vitória do nosso futuro governador, Jaques Wagner, me surge o seguinte pensamento:

O seguidor do senhor das trevas reinará na Bahia, como antes fora feito por outros seguidores e trará consigo a força da destruição e o poder da desordem.

O povo será transportado para o lado vermelho e sombrio onde a escuridão imperará, o medo tomará conta da vida de todos e a busca pela luz transformarão 4 anos em eternidade.

A todos os povos que sobrevivem neste estado, que sucumbiram ao poder demoníaco da estrela vermelha ou foram vítimas da inconseqüência alheia, corrompidos por algo denominado “bolsa família”, bem vindos ao inferno que nos espera.

Nada contra a referida pessoa, mas sou anti-petista de carteirinha. O que fez esse partido? O que fez, até então, aquele que se mostra líder deste partido? Como um cara que não estudou, e tem orgulho de dizer isso; que não trabalhou, e ainda recebe pensão da falida estrutura previdênciária nacional, onde idosos aposentados e inválidos tentam sobreviver; e que não tem respeito pelo povo que lhe elegeu, porém diz ser do povo, deseja respeito e confiança novamente?

Mas o brasileiro, povo de sentimento bom, esquece o passado e vive o presente. No entanto, não tenta, neste presente, construir um futuro para que possa recordar!

É triste! É triste ver corrupção, não só do partido supra citado, mas sim ver corrupção como um conceito enraizado em nossa cultura política onde todos que fazem parte, mesmo que não sejam corruptos, tornam-se corruptos na cabeça dos outros.

É triste...

17 setembro 2006

A Armadilha

Às vezes fico recordando algumas coisas que fazia quando guri.
Eu era uma criança quieta, mas em alguns momentos dava o "revertério" e a merda estava feita.

A TV é uma grande incentivadora de merdas para seres desavisados. E eu, como toda criança, gostava de assistir desenhos e filmes. Eu tinha uma certa doença por filmes. Como tinha horário para dormir e a fiscalizaçao era acirrada, eu fingir dormir até que todos já estivessem dormindo e depois corria para a televisão para ficar até tarde assistindo filmes. Muito massa...

Nessas ondas a imaginação ficava mais fértil ainda.

Com certeza, você que está lendo esse troço, lembra-se de Mackgiver! O cara é (era) o cara. Baseado em suas impressionantes habilidades e façanhas incríveis eu criava um cenario em casa e partia para a execução de ações que tinha alguma semelhança com aquelas vistas na tv.

E para variar, alguém tinha que servir de alvo. E é obvio que eu estava fora de cogitação. Portanto, nada mais adequado que colocar neste papel a empregada da casa. Algumas delas sofreram bastante. Outras não tiveram tempo de sofrer muito... Bom pessoal, para aqueles com mentes poluídas (maioria de meus amigos) informo que eu era GURI. Nenhum pensamento pervertido passava em minha iluminada mente!

Uma coisa que eu sempre achei massa eram as armadilhas com fitas, barbantes, fios etc.. Sendo assim, encontrar esses artefatos em casa não era nada difícil. Tendo a certeza absoluta que eu iria levar uma surra por causa das armações, nada eliminada a vontade de elaborar o que fervilhava na cabeça.

E lá vai eu encher a parede de tachinha (aqueles pregos bem pequenos) e começar a passar os fios de nilon. Nessas artes até se o cachorro passasse por lá sobrava. Mas eu tomava cuidado para que o inimigo mortal (a véia), não adentrasse à cena. Tarefa árdua. Tal qual o filme, tudo tinha que ser feito na surdina e sem deixar vestígios (com tanta tachinha na parede isso era difícil).

Uma certa vez, e a que recordo como se fosse hoje, foi quase desastrosa. Eu tinha uma sede de vingança das empregadas de casa quando "deduravam-me". Putz, eu ficava puto da vida e isso fazia mais ainda minha mente trabalhar para desenvolver a cena ideal para atingir o alvo em questão.

Voltando à cena: eu tinha em robô de controle remoto (aqueles que tinham o siga-me na cabeça) de aproximadamente uns 80 cm de altura. Não era muito pesado, pois era todo de plático, mas usava 8 pilhas daquelas grandonas (acho que nem vende mais) nos pés.

Como já estava um pouco destruído, ele era peça fundamental de várias merdas que eu fazia. Portanto, artefato ideal para atingir o alvo.

O trabalho foi muito difícil. Tachinhas e mais tachinhas na parece; alguns metros de fio de nilon; escada e mais alguns apetrechos onde incluia, em 100% dos casos, um cabo de vassoura. Não sei porque, mas era de uma serventia impressionante para o preparo das "armadilhas".

Mas eu era um garoto bonzinho. Não aprontava muito!

Lá vai Danilo se pendurar no telhado (eu morava em casa) para poder prender o robô. Amarra daqui, amarra dali, bate mais tachinha na parede e nas madeiras do telhado e assim o trabalho estava sendo desenvolvido.

Após certificar que estava bem colocado, é hora de passar para a fase 2, onde seria o ponto de intersecção com o alvo. Fios passando pelo chão a uma altura aproximada de 5 cm fazia ligação com o cabo de vassoura que segurava os pés do robô.

O próximo passo era fazer com que o caminho tivesse obstrução suficiente para que a única área possível de se passar fosse a que tivesse a armadilha. Feito tudo, inicia-se a fase de testes. Incrível como desde criança temos a idéia de testar aquilo que fazemos para ter certeza de que irá dar certo. TOTALMENTE SEM NOÇÃO!!!

Tudo corrido como o planejado, agora era só fazer o alvo cair na armadilha. Ahh, isso não era difícil. Ao contrário. Mas tinha que ser cauteloso para não chamar a atenção.
Pronto, lá vem o alv.. digo a empregada.

Fantástico. A merda estava feita e mais uma surra entrou para a lista de espera. A infeliz caiu na porra da armadilha como um patinho. Na realidade a armadilha caiu nela e ela foi ao chão.

Zorra, foi massa ver a grande parafernalha funcionar e a mulher se lenhar. Isso era pra aprender a não me dedurar.

O funcionamento era simples: o robô estava com a parte superior amarrado no teto com os fios. A base (os pés) estavam sendo segurados pelo cabo de vassoura que estava atravessado, onde era segurado, também, pelos fios de nilon. Uma das pontas estava frouxa para que o fio pudesse ser solto. Para ser solto precisava de um puxão. Para isso, o fio que passava pelo chão estava ligado à ponta do fio que segurava o cabo de vassoura. Quando o fio de baixo fosse puxado, soltaria o cabo onde liberaria o robô. Como a cabeça deste estava amarrado no teto, o robô vinha fazendo uma curva de 90 graus em direção à cara do alvo.

Putz, a porrada foi muito feia... Hoje eu consigo imaginar a merda que fiz. Mas o que importa é que funcionou. Isso era mais importante. Agora era só se preparar para a surra da noite e satisfeito com o ocorrido.

Incrível que as miseráveis não aprendiam. Elas poderiam evitar um confronto apenas recolhendo-se à sua insignificância ao invés de querer "pegar moral" com os patrões. Fora que sempre rolava a "ponta de criatividade" no relato dos ocorridos, o que agravava mais ainda minha situação..

Bom pessoal, por enquanto é só. Mas estou fazendo uma lista de algumas estórias que envolvem empregadas domésticas. E salientando, mais uma vez, nenhuma delas de cunho pornográfico. Se bem que seria interessante se a véia, no ápice de sua percepção, não colocasse só as bruacas e velhas pra trabalhar lá em casa... Assim ficava difícil!!! hehhe

Mais estórias estarão por vir... Serão cenas dos próximos capítulos!

Grande abraço.

11 agosto 2006

O Ovo no Microondas

Alow povo!!!

Mais uma de minhas artemanhas. Cada dia descubro que tenho menos juízo que imagino ter...
Ao jantar estava conversando com meu irmão, cujo lembrou-me de um episódio ímpar ocorrido há alguns anos atrás. E não poderia deixar de divulgar essa aberreção.

Era algo em torno de 2 da madruga. Eu e meu irmão estávamos assistindo a algum filme (lembrar agora já é pedir demais) até a fome bateu. Fizemos um tour pela cozinha e não encontramos nada que estivesse ao alcance imediato (conzinhar de madrugada é dureza).
Daí abrimos a geladeira pra vasculhar mais alguma coisa.

Até aí tudo certo! Nada de peripércias. Até que algum doente (um de nós dois - presumo que tenha sido eu) teve a incrível idéia de tentar (vejam bem, TENTAR) cozinhar um ovo (de galinha). Seria normal esse pensamento se a idéia não estivesse algo a ver com o MICROONDAS. Ó glorioso microondas!!! Máquina destruidora de água de Jah. The hell's machine.

A idéis foi finalmente solidificada e nos propusemos a executar. Lá vamos nós colocar o ovo no microondas. Mas, o detalhe é o mais importante, não posso deixar de mencionar: estávamos colocando o ovo crú (não vou cozinhar nada cozido) e a seco, ou seja, só o ovo e mais nada na máquina. Outro detalhe: não estava aberto, apenas pegamos o ovo e colocamos no microondas.

Antes de continuar, só um aviso: PELAMORDEDEUS, NUNCA COLOQUEM OVO NO MICROONDAS.


A priori, nos batemos com algo que não tinhamos pensado. Nesse audacioso projeto, esquecemos de identificar uma premissa básica: ovo é redondo (bom, quadrado que não é), portanto não vai ficar parado no prato do microondas. Putz...

Então, com a esperteza e destreza que nos foi concedida, pegamos uma pequena vasilha de plástico apenas um pouco maior que o ovo. Fantástico! Problema solucionado. Agora era só mandar brasa, digo apertar o botão...

Ligamos a máquina infernal. 60 segundos. O barulho começou (vuummmmmmmmmmmm). Até hoje estou traumatizado com a zuada do microondas. E lá vai o ovo rodar (no bom sentido galera - ô mentes poluídas)

Começou a partir. Estámos, praticamente, os dois com a cara na porta do microondas quando o ovo começou a partir. "Maaaaaaaasssaa... Tá cozinhando! Será que já está bom?" Os segundos estavam terminando e não tínhamos certeza de que o ovo já estava cozindo. Faltando uns 5 segundos, ou menos, aumentamos mais 10 segundos, o suficiente para teminar o cozimento.

Foram os 10 segundos infernais. Poderia ter sido 9, 8, 7, ... Mas não! Foram 10. Acreditem, eu não minto e muito menos sou pescador (sacanagem com os pescadores). 1 (isso mesmo UM..) UM segundo miserável que faltava para o desligamento automático da máquina de Jah e BUUUUUMMMMMMMMMM... Mas não foi um BUUUUUUUMMMMMMM qualquer... Foi o BUUUUUUUUMMMMMMMM junto com o TPAFFF... Putz!!! E eu ainda tenho coragem de contar essa coisas...

Pasmem! Faltava UM segundo.. eu falei UM segundo... Entenderam?? UM segundo e a porra ...(la ele! Tenho que mudar a palavra. Não cai bem neste contexto)... e o ovo infeliz explode. EXPLODE - BUUUUUUMMMMMMM... A porta abre com tudo.. Isso mesmo.. A porta do microondas destravou com a explosão e veio ao encontro de dois imbecis que estava com a cara quase colada nela. E TPAF... Doeu pra caramba...

Todo mundo da casa acordou... Parecia que uma bomba de 1000 tinha explodido dentro de casa. Foi um barulho tremendo somado à força com que a porta abrir e o possível "Puta que pariu, porra!" que ecoou. Cena bizarra.

A casa, instantaneamente, ficou podre a ovo (ainda bem que o ovo não estava podre). Uma carniça. E lá vamos nós limpar a sugeira toda... Todo o microondas sujo de ovo, a parede, o chão.. Quase chega no teto (se chegou deixamos passar despercebidos). Mas a fome continuava.

Depois de quase 1 hora limpando a merda toda (a solução foi lavar a cozinha) e ainda com fome, fomos buscar, mais uma vez e com orgulho de ter alcançado o ápice da merda, a comida. No entanto, preferimos utilizar aquele que já era de nosso conhecimento: o bom e velho fogão a gás. Ó invenção maravilhosa. Mas nada de ovo!!!

Muito bem, é isso pessoal. Cuidado com o ovo no microondas. Eu por exemplo passo longe dessa máquina infernal...